sábado, outubro 09, 2004

Fade In...

Silêncio, as nuvens cerraram... o portão abriu, e o nevoeiro cansativo entrou... nada é simples, nada é silêncio, e tudo é vazio. O calor não chega e o frio teima em permanecer. as janelas fecham e deixam apenas o escuro ficar, não há luz, não há solidão. Existe tudo e apenas nada. As armas rebentam num grito surdo, e também a solidão parte para restar o vácuo da recordação. (Isto) torna-se tão simples de viver. É tão fácil abrir este portão para nada restar.


Silêncio, a chuva começa a cair... o portão fechou, e a imensidão do nada soou. Esta força imensa que no vácuo consegue ser ouvida, enche esta sala pequena de dimensões infinitas num estalido vibrante. E a surdez (também ela) partiu. Que ficou? A força demorada de um minuto infinito calado. O amor desvanece-se tolhido na combustão fria da ignorância. Porque te foste... e nada restou.

Silêncio, só eu fiquei... eu e o nada. E do nada subtraímos o tudo e o zero infinito voou com as asas escuras do destino, que também desejou partir. Fiquei eu e o nada, o tudo da insatisfação. Sobrou o peso de uma tempestade vizinha, que também ela cansada, se deixou adormecer num recanto desta sala, e lá ficou, em pó transformada, a fazer-me companhia, esquecida de si, perdida de mim.

...Fade Out



terça-feira, outubro 05, 2004

Quando te sentires sozinha numa noite de inverno, guarda uma fotografia minha junto ao peito para eu poder alentar com um sopro quente o teu coração e assim não me perder na impavidez do esquecimento...


autor não identificado